We are in the process of migrating this forum. A new space will be available soon. We are sorry for the inconvenience.

O que há de novo em Setembro de 2011


oles@ovh.net
07-09-11, 10:02
Olá,

O que há de novo na OVH? Isto avança. Aproveitaremos os
próximos dias para completar certas fases de
desenvolvimento de vários (novos) serviços.
Será uma oportunidade de fazer vários anúncios e
obter o vosso feedback.

- A OVH Mag n.º 2 está a ser re-lida internamente.
paramos nas 200 páginas como n.º 1. Deve ser produzida
até ao final do mês.

- O preenchimento do mais recente datacenter RBX4
foi mais rápido do que o esperado. Estamos a reflectir como
fazer face a este crescimento e não ficarmos sem espaço
disponível lá para o final do ano. Há várias reflexões que
estão em curso de validação. Estas passam pela inovação
e avanços tecnológicos. O objectivo é
poder passar em RBX4 de 35.000 servidores ...
para 45.000 servidores, 60000 e 75000. Vamos ver
o resultado dos testes alpha internos. No pior dos
casos, vamos construir RBX5.

- Para configurar o backbone nos Estados Unidos e
Ásia, encomendamos uma série de novos
routers. Este equipamento levou (uma eternidade) 3-4
semanas para chegar e ontem recebemos
os últimos pedidos. Assim, poderemos fazer as
configurações esta semana.
De seguida, começam as implantações. Isso vai-nos
permitir criar novos peering nos Estados Unidos e Ásia,
dois novos links de transit (Level3 e NTT) e, assim, aumentar a capacidade
da nossa rede de cerca de +250 Gbps. Como esperado
antes do final de 2012, teremos >1Tbpsde ligação
para a Internet.

- Amanhã à noite, vamos completar o backbone
ARN de Lille. Haverá uma interrupção do serviço de poucos minutos,
necessários para desligar o equipamento antigo e fazer arrancar
o novo.

- Em Lille, actualmente, cada DSLAM está ligado a
2x1Gbps por um interruptor localizado no
NRA em si. Essa opção é ligada por 10 Gbps
noutro switch noutra ARN. E assim por diante,
seguindo a forma de loops. Este tipo de backbone
é bom para ADSL, mas com a chegada de
VDSL2 100Mbps nós procuramos ainda melhor.
E encontramos melhor e
mais barato. Assim, os DSLAMs estão (ainda) ligados
em Xx1Gbps (X = 2,4,8), mas directamente a 2
routers no backbone. Não há switchs no NRA.
Cada NRA é composta por uma rede de 1 Gbps em
forma de loops. DWDM é usado a 4/10Gbps por cada
comprimento de onda. Sabendo que são de 5 a 10 por NRA
loop, cada loop pode ter 800Gbps e fez-se um grande NRA 10Gbps
(a soma todos os ISP). Podemos estimar que a construimos um
backbone que irá resistir às inovações durante 5-7 anos.
Como cada ARN está ligado ao
o primeiro router através de uma rota e ao segundo
router através de outra rota distinta, ele suporta
cortes de fibras, falhas de routers, etc ..
Toda a nossa experiência no serviço de hospedagem
foi posta em prática. O resultado : poder assegurar 100Mbps
por assinante por um custo menor do que hoje os nossos
concorrentes propõem para garantir a 150kbps por assinante.
Isso significa, que oferecemos o VDSL2 a
100Mbps por menos de 25 € com uma
largura de banda de garantida ao máximo da sua sincronização 24/24.
O que já fazemos no alojamento há anos
Este backbone também pode entregar
serviços de valor agregado, tais como redes privadas
em VPN / MPLS, e, claro, suporta vídeo VoD / / TV
em unicast. Google TV ou Apple TV ou Netflix não nos
criam medo. Pelo contrário, estamos à espera para vos podermos
entregá-los de forma ilimitada ..

- Vamos começar grandes trabalhos no
backbone em Paris. O objectivo é parar o POP
em TH1 e mover todos os equipamentos
TH1 para TH2. Dentro de alguns dias vamos, portanto, fazer
migração da Infinera que fornece um dos
2 links Paris / Roubaix e Paris / Frankfurt. É uma
oportunidade para por em funcionamento dois novos routers
Cisco ASR 9010: um em TH2 e outro em GSW. Eles
vai centralizar todo o tráfego actual (hosting)
e futuro (ARN) em Paris, mas também Lyon,
Bordéus e Marselha. No total todos, vamos implementar
1.2Tbps de capacidade de rede para Paris e vamos
começar a fazer passar essa capacidade para Lyon,
Bordéus e Marselha (em Paris / Lille-nos temos
já mais de 250Gbps).

- O site de Estrasburgo está a ser iniciado
e nós cortaremos a nossa ligação para Paris / Frankfurt
para adicionar equipamentos Infinera em Estrasburgo.
Isto irá permitir-nos ter 400Gbps para Paris,
400Gbps para Frankfurt e depois ligar Zurique e
Milão directamente a Estrasburgo (em vez de
Frankfurt). Assim, os servidores e Cloud Computing
que proporemos em Estrasburgo estarão
muito perto de Paris, Frankfurt, Praga, Varsóvia,
Zurick, Milão e Viena. Vamos dividir por 2 ou
3 as latências para essas cidades e, assim,
para esses países. De seguida, proporemos novos serviços
DRP (Plano de recuperação de desastres), com base
em dois locais separados por +300 km entre eles.

-- Há algumas semanas atrás, comemoramos 100 mil
servidores. Nós removemos o custo de instalação
em todos os serviços na OVH. Desde que nós o fizemos
ocorreu um aumento muito acentuado no abuso em qualquer
tipo (spam, ataques, scans). É por isso que
mudaram os nossos processos internos e desde há 1 mês
que suspendemos o contrato do servidor dedicado ao segundo
ataque em menos de 30 dias. Vimos o número de ataques
aumentar de 3-4 (com o custo de instalação)
para 5-8 por dia (instalação gratuita), então a
situação estabilizou durante 2 semanas em 5/6 grandes
ataques por semana. Basicamente, nós reagimos
rapidamente e sem piedade para limpar a nossa rede
de todos os clientes que sejam hackers ou exercem
actividades "borderline" ou estranhas ou que não sabem
manter a segurança adequada nos seus servidores.
Com esta abordagem menos amigável, podemos
manter (por enquanto) os custos de instalação
em 0 Euro.

- Nos últimos meses, trabalhamos na implantação
dos nossos serviços na América do Norte. Como
uma área grande, sabemos que será necessário mais
do que 1 datacenter. Estamos a estudar vários sites para
lançar o nosso primeiro datacenter lá. Mas em contraste com
nossos concorrentes, o objectivo não é ir mais rápido
mas os custos mais baixos, com grandes
capacidades de redes e serviços gerido pela OVH de ponta a ponta.
Esta abordagem permite-nos estar lá de forma
rentável desde o primeiro dia, embora para isso seja
necessário construir um maior backbone na
Europa e ter que construir um datacenter como
RBX4 . Podemos dizer que isto não é necessariamente o que
que inicialmente pensamos , quando fizemos
apt-get install apache .. ou melhor rpm-Uvh apache-1.3.4-1.i386.rpm
Em suma, queremos replicar nosso modelo de negócio
na sua totalidade porque pensamos que haverá sempre
lugar para um jogador sério que domina seu ofício,
que é mais barato 2x a 5x do que o mercado, que não cobra
largura de banda. Tudo isso graças ao fato de que
reinvestir todos os lucros na infraestrutura, no futuro, portanto.

Então, onde implantar outros datacenters? Nós achamos que
permanecer no "Norte" da América do Norte, ou seja,
não muito longe da fronteira com os EUA / Canadá. Porquê? A
energia é mais barata. Ela vem de barragens no
principais rios no Canadá e nos Estados Unidos. É verde, e não cara.
Além disso, o custo de arrefecimento dos servidores é menor
porque uma vez que depende da temperatura exterior e
o norte é frio. Se olharmos para as redes de fibra óptica, distâncias e
latências, será necessário criar cerca de 4-5 áreas a 15-20ms
umas das outras. Então, sim, serão vários datacenters.
Mas se considerarmos o nível de desastres naturais, vemos que
não acontecem muitos na fronteira. Sem tremores
de terra, sem furacões, sem vulcões. Por isso, os custos serão
necessariamente mais baratos para construir e manter
operações do que numa área perigosa. Pode-se imaginar
Então se estabelecer por entre Albany (Nova York)
Montreal (Canadá), Detroit (Michigan), Chicago (Illinois)
Seattle (Washington) e / ou Portland (Oregon). A excepção
a notar é que Texas fornece energia barata através
do petróleo extraído localmente mas, é uma área muito quente, há tornados,
etc. Nós continuamos nossa pesquisa, mas estamos a chegar a conclusões.
Se você tem ideias, por favor, não hesite. Devemos
poder fazer ping ao nosso primeiro servidor até o final do ano.

- Há 2 anos atrás, sabíamos que iríamos precisar de
ir para os Estados Unidos. Lançámos reflexões internas
sobre como se organizar, a fim de manter um
alta velocidade de inovação, enquanto se assegurava uma ampliação
e durante a conversa com os clientes
com motivações diferentes, que às vezes são conflituosas entre si.
Fomos levados à criação de uma "Interteam", que de maneira transversal
coloca pressão nas equipas internas. Através de duas semanas de sprints
esta equipa tentar passar para sysadmin e desenvolvedores as necessidades
dos nossos clientes que foram discutidas nas mailing lists, fóruns, twitter e
fazer marketing. O objectivo é enriquecer a todas as nossas ofertas em
duas semanas. Um ou mais novos recursos,
novos serviços, correcções de bugs. O objectivo é
oferecer serviços que estão aproximados ao máximo às
reais necessidades dos nossos clientes. Os alfas, betas e
prod estão o nosso DNA desde o início e é isso que dá
o ritmo à OVH. Nada mudou, excepto que em 1999-2001 pensávamos
que era necessário fazer assim e em 2009-2011 finalmente percebemos
como o organizar.
A Interteam é uma foto desta grande organização
pragmática e tem sido testada e validada desde há 9-12 meses.
Não funciona assim tão mal, mesmo que tenhamos (muitas vezes)
atrasos na finalização dos serviços. O serviço avança e
e sentimos a OVH em movimento. É reconfortante o suficiente
para me dedicar ao desenvolvimento da OVH noutros
continentes e enriquecer a OVH (Europa) noutros pontos de
vista. Para aqueles que duvidam, esta é uma expressão
costumo usar "os cemitérios estão cheios de pessoas
indispensáveis "ou" não vai ser pior ou melhor,
mas diferente " E aqui não vai nem sequer ser diferente.

Ao trabalho

Amigavelmente,
Octave